sábado, 17 de outubro de 2009

Caos na Saúde Pública de Sergipe

Comentário original postado em:
http://dremersonvereador.blogspot.com/2009/09/emenda-58.html
Sou um assíduo ouvinte de rádio e ouço todos os sábados a partir das 13 horas o programa “Fala pra mim” apresentado por Dr. Emerson, na Rádio Atalaia AM de Aracaju. Considero o programa uma tribuna livre a serviço da cidadania, que dá oportunidade aos sem vez e sem voz de se manifestarem livremente, expondo seus anseios e dificuldades de toda ordem, fazendo do rádio um instrumento de aperfeiçoamento democrático. Neste sábado (17 de outubro), o tema abordado foram os péssimos serviços de saúde pública prestados pela capital e municípios sergipanos. O precário atendimento feito pelo SUS - Sistema Único de Saúde e a balburdia que se estabeleceu no Hospital João Alves Filho e nos Postos de Saúde da capital. É grave e preocupante o estágio a que deixaram chegar a nossa saúde. É vergonhoso e desumano o atendimento nos hospitais públicos, com pacientes amontoados pelos corredores em macas e cadeiras a espera de um atendimento. Faltam médicos, pessoal de apoio, enfermeiros, medicamentos, um verdadeiro caos. Há muito tempo nossa saúde vive na UTI e os gestores municipais e estaduais ficam a tomar medidas paliativas, enquanto os problemas vão se agravando, chegando ao ponto de pessoas falecerem em plena fila de espera de atendimento. De parabéns o Dr. Emerson, que está fazendo a sua parte como político, médico e âncora de programa radiofônico, mas é preciso que o cidadão, usuário do SUS, se indigne, grite, proteste, reclame, reivindique, denuncie, procure a justiça, dê queixa na polícia e exija seus direitos que estão assegurados na constituição, de uma saúde digna, humana para todos, sem distinção e que trate o paciente com respeito. É assim que forçará os governantes a tomarem providências sérias e definitivas, passando a elegerem como prioridade a saúde da população, pois eles quando adoecem, tem seus excelentes planos de saúde e quando o caso é mais grave, procuram os hospitais dos centros mais desenvolvidos. O que não se pode é morrer calado. Um abraço, Armando.

4 comentários:

Armando Maynard disse...

quinta-feira, 29 de outubro de 2009
Falta até luva em posto de saúde do bairro Santos Dumont
Populares do bairro Santos Dumont acabaram de denunciar no programa Jornal da Ilha apresentado por Gilmar Carvalho o estasdo em que se encontra o Posto de Sáude José Machado. ‘’Lá falta tudo’’, disse uma moradora que foi até o posto fazer tratamento dentário e a funcionária do posto mandou ela comprar uma luva no G. Barbosa, por o material estava em falta no almoxarifado.Foi denunciado também que não existe segurança e são poucas as especialidades médicas a disposição da população. Com a palavra o prefeito Edvaldo Nogueira.
Postado por Douglas Magalhães http://caranguejonews.blogspot.com/

Daniel Savio disse...

Cara, infelizmente, isto acontece em vários lugares, mania que temos de aceitar as mentiras que eles (politicos) melhoram a saúde e nunca cobramos o que eles prometeram...

Fique com Deus, menino Armandi Maynard.
Um abraço.

Armando Maynard disse...

Infonet [www.infonet.com.br]
Infonet - Saúde - 04.ll.2009

Faltam cirurgiões pediátricos e de tórax no Huse
Problema foi novamente discutido no Ministério Público Estadual. Huse diz que não há especialistas suficientes no Estado
Problema de falta de especialistas no Huse é antigo, diz José Menezes
Na manhã desta quarta-feira, 4, o Ministério Público Estadual (MPE) realizou nova audiência pública para tratar sobre a falta de cirurgiões especialistas no quadro do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). A diretora clínica da unidade, Dra. Lícia Diniz, afirma que, atualmente, a grande dificuldade do hospital é a falta de médicos especialistas em cirurgia pediátrica e toráxica.
Segundo ela, existem poucos profissionais especializados em cirurgia pediátrica e do tórax no Estado, o que inviabiliza a permanência desses médicos naquela unidade de saúde. O presidente do Sindicado dos Médicos do Estado de Sergipe (Sindimed), José Menezes, e o representante do Conselho Regional de Medicina (CRM) na audiência, preocupados com a situação, solicitaram que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) se manifeste sobre essa ausência de especialistas e sobre as medidas que serão adotadas para sanar o problema.
“O que eu vejo é que não há interesse da SES em nos dar explicações. Eles alegam que existem poucos especialistas no Estado, mas esse é um problema antigo. O Estado gasta tanto dinheiro em outros setores, mas ainda não conseguiu atrair essas profissionais para cá”, reclama o presidente.
Tema foi novamente discutido no MPE
De acordo com Menezes, as vagas provenientes da ausência de médicos especialistas estão sendo preenchidas por cirurgiões gerais. Segundo ele, o Sindimed e o CRM vão tomar providências quanto a isso. “Vamos solicitar à Associação Médica Brasileira que nos envie um documento onde constem quais são as atribuições e os limites de atuação do cirurgião geral. Precisamos resguardar nossos médicos e a população tem que saber que o serviço do Huse, sendo um hospital de alta complexidade, está funcionando de maneira incompleta, deficiente”, declara Menezes.
A promotora de Justiça dos Direitos à Saúde, Miriam Teresa , optou por redesignar a audiência, que deverá ocorrer após o MPE receber a documentação alusiva às atribuições dos cirurgiões gerais que o Sindimed se comprometeu em enviar.

Por Helmo Goes e Glauco Vinícius

marshall disse...

sometimes it is regrettable the service they receive some medical centers! You are quite right. thanks for sharing your blog, read it was great!
excessive sweating control