sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Dois Assuntos: Felicidade e Novas Mídias

Comentário original postado no blog:
A vida é feita de sonhos, desejos, dúvidas, alegrias, decepções e muitas experiências, que aos poucos nos fazem ir desbravando paulatinamente o dia a dia, com ajuda de pais, familiares e amigos. Todo começo é difícil e com a vida não é diferente, quando um pequeno ser frágil, tímido e medroso, tem que enfrentar um mundo desconhecido, cheio de dificuldades, surpresas e desafios. A partir do momento que passamos a ter consciência, iniciamos a busca da realização de nossos sonhos (projetos de vida) cuja meta é a nossa realização (consciência tranqüila, segurança e paz). Tudo isso para ser encontrado é preciso que se perca o medo, e se vença barreiras e obstáculos, para que no fim se conquiste o almejado por todo ser humano que é a felicidade. Para isso, às vezes, é determinante a ajuda de um amigo, que, possuidor de mais sabedoria, tenha o poder de nos fazer abrir a mente e os olhos para um mundo novo, que se descortina à nossa frente e que, até aquele momento, não conseguíamos enxergar.Caro Renan, essa é a minha leitura de sua bonita fábula.
Quanto ao seu pertinente comentário no blog Mídia Depressa, tenho a dizer que sou do tempo do grande “Jornal do Brasil”, das revistas “O Cruzeiro” e “Manchete” com seu cheirinho de papel e tinta, tradicional da editora Bloch. Até hoje sou fascinado por bancas de revistas & jornais e continuo amante da mídia impressa e não quero de forma alguma que acabem. Concordo com você, achando também que tem que haver uma mudança radical na mídia tradicional e certamente haverá, com a mesma se democratizando muito mais ainda, dando a importância devida a quem merece - o leitor, aumentando seu espaço nas sessões de cartas e opiniões, para que ele possa expor mais suas idéias e críticas, dinamizando a interatividade, que nesses meios, comparado à mídia digital, ainda deixa muito a desejar, resquícios de compromissos, vaidade, orgulho e medo. E continuo torcendo sempre, pelo que é mais importante, um jornalismo de conteúdo, cada vez mais ético, responsável, isento, verdadeiro e transparente, para que tenhamos um povo de opinião, bem informado, politizado, educado, culto e consciente de seus diretos e deveres. Tenho dito! Um abraço, Armando.

2 comentários:

Marcos Dhotta disse...

Caríssimo Armando,
Nunca mais tinha passado por aqui... Ou melhor, passei no "Feitiço..." e vi que: "O computador pifou". Portanto resolvi passarpor cá...
E é sempre bom retornar. Pois o espaço continua acolhedor como sempre. Um grande abraço.

lpzinho disse...

Simplesmente fantástico o post TODO!
Mais ainda no momento que vc relembra do Jornal do Brasil, cheiro de tinta nas revistas impressas e jornais...me remeteu tb aos tempos em que eu ia em gráficas acompanhar materiais, provas de prelo de impressões diversas, visitas no DCI, na Gazeta.. e saudade de jornais como era o Jornal da Tarde que nasceu um jovem contestador e virou um adulto infantilizado, brega e vazio de conteúdo...
Bacana te ler pq me faz refletir um monte e lembrar de coisas que vão de um tira-linhas até uma prancheta de desenho... de uma sala de cinema sensurround até a textura de uma revista em quadrinhos das antigas... enfim.. obrigado e desculpe o sumiço!
Grande abraço e sucesso pra vc sempre!